Páginas

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Enganados pela Corte

Mais uma vez fomos decepcionados pelo STF. Este órgão que compõe o sistema check and balance, comprovou na data de ontem, que seu único desiderato é defender os interesses de classes.

Percebe-se que ao considerar o exame da OAB constitucional mandou bem o STF - juridicamente analisando - haja vista que qualquer leigo ao ler o artigo 5, inciso XIII da CF/88 entenderia que a aplicação de prova para o exercício da profissão de advogado é constitucional.

Mas, assim como julgou procedente a ação que reconhece a união estável entre homoafetivos, deveria o STF aplicar o mesmo peso e a mesma medida neste caso.

A  OAB arrecada muito dinheiro com o exame, e como o interesse financeiro é a maior preocupação dos políticos no Brasil, espera aí políticos? Não estamos falando de Ministros de uma Corte Suprema? Membros do Poder Judiciário? É..., infelizmente os Ministros do STF não passam de políticos de toga.

O exame de ordem certamente é necessário para o exercício da advocacia, profissão que exige elevado conhecimento da ciência jurídica, onde os advogados devem estar preparados para a prática forense e infelizmente a realização de um exame é uma forma de avaliar o conhecimento jurídico de um bacharel de direito.

O que causa estranheza é quando o Pretório Excelso aplica o ativismo judicial somente nos casos que lhe interessa, por isso deve ser criticada a decisão de ontem, porque assim como existem muitos casais homossexuais que conseguiram sua vitória com o reconhecimento da união estável, tendo seus direitos reconhecidos e principalmente no que tange ao princípio da dignidade da pessoa humana, existem inúmeros bacharéis de direito no Brasil que estão com seus certificados de gaveta e não conseguem passar no exame da ordem e exercer sua profissão.

Será que neste caso também os bacharéis de direito não tiveram o princípio da dignidade da pessoa humana violado, já que não conseguem exercer sua profissão?

Mas para que julgar favorável, bom mesmo é que eles continuem tentando passar no exame da ordem, afinal, nunca foi tão fácil arrecadar dinheiro de uma pessoa que quer trabalhar.